Sexta-feira, 4 de Agosto de 2017
Assembleia Geral d'AFURNA




Realiza-se no próximo dia 20, domingo, a Assembleia Geral d'AFURNA, a partir das 11h00, seguida de convívio, no Museu Etnográfico de Vilarinho da Furna.



 


publicado por MA às 17:42
link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 29 de Julho de 2014
Museu Etnográfico de Vilarinho da Furna

 

Aqui fica o convite para uma visita ao Museu Etnográfico de Vilarinho da Furna:

http://www.cafeportugal.pt/pages/sitios_artigo.aspx?id=7755

 

Manuel Antunes

 

 



publicado por MA às 02:21
link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 17 de Março de 2014
Conferência no CER - Centro de Estudos Regionais

Realizou-se, no passado dia 13 de março, na Biblioteca Municipal de Viana do Castelo, promovida pelo CER, uma conferência sobre Vilarinho da Furna, em que foi orador Manuel Antunes, presidente d'AFURNA. 

 

 

 

 

 

 

Depois de escutar o "Requiem" de Miguel Torga, escrito em 1976, última intervenção da Associação D'Improviso, Manuel de Azevedo Antunes, professor e investigador da Universidade Lusófona e presidente da AFURNA (Associação dos Antigos Habitantes de Vilarinho da Furna), deu início à sua comunicação sobre Vilarinho da Furna. Escutaram-se histórias e "estórias" da povoação submersa pelas águas do Rio Homem e viram-se imagens em vídeo e fotografia que cativaram a numerosa assistência. 

 

A filha de António Alves, presente na conferência, apelou à identificação da obra de seu pai, recordando memórias que detinha sobre a deslocação paterna a Vilarinho da Furna. O momento sensibilizou toda a assistência e, particularmente, o palestrante. 

 

 



publicado por MA às 01:38
link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 15 de Agosto de 2013
Assembleia Geral d'AFURNA
No dia 18 de agosto, a partir das 10.00 horas, terá lugar, no Museu Etnográfico de Vlarinho da Furna, a Assembleia Geral d'AFURNA.

De tarde, haverá o habitual convívio, com deslocação ao Parque de Merendas, sobranceiro à antiga aldeia, destruída por uma barragem, no princípio dos anos 70, do século passado.

http://afurna.no.sapo.pt/Convocat%F3ria_AG_AFURNA_2013.pdf

 

Manuel Antunes

 



publicado por MA às 22:41
link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 4 de Fevereiro de 2013
António Campos - Filme sobre Vilarinho da Furna

Aqui fica o link para o filme de António Campos, sobre Vilarinho da Furna:

http://www.youtube.com/watch?v=_YyJBoRV9Y8

 

É um filme concluído em 1971,  para o qual tive a oportunidade de colaborar. Escrevi, aquando da antestreia para um grupo restrito, na Gulbenkian, onde estava o próprio Jorge Dias, o autor da obra em que o filme se inspira, um pequeno texto, que, mais tarde, veio a ser incluído num dos meus livros. É esse texto que aqui evoco, além do mais, como uma singela homenagem a António Campos, de saudosa memória:

 

VILARINHO DA FURNA, A ALDEIA QUE JÁ SÓ VIVE NO CELULÓIDE

Vilarinho da Furna morreu. A água que era a vida da povoação transformou-se na sua morte. Tal é a tese que ressalta do filme documentário "Vilarinho das Furnas", realizado por António Campos, a quem dei toda a colaboração, e que, há anos, foi estreado em Lisboa. Filme em 16mm, com uma, geralmente, boa fotografia a preto e branco, retrata ao vivo a rudeza da serra agreste que moldou os caracteres de um povo, que encontrara no velho sistema comunitário o melhor meio de sobrevivência. É a luta desse povo, escondido nas ribas do Homem, numa vasta bacia definida pelos contrafortes da Amareia e do Gerês, que António Campos, com uma rara sensibilidade artística, que em nada atraiçoa o realismo da existência, condensou em noventa minutos que evocam séculos de história. Nada escapou ao olhar perspicaz do realizador, que, não obstante a carência de meios com que lutou, conseguiu fazer um filme equilibrado, realista, autêntico. Esta nota de autenticidade perpassa por todo o filme e é ainda mais acentuada pela voz de Aníbal Pereira, um homem do povo que, sem textos pré-fabricados, introduz o espectador, com a simplicidade da sua filosofia, na vida daquela comunidade "sui generis", que passa pelo écran em sequências variadas. Pena é que a sua voz nem sempre acompanhe o ritmo da imagem, andando, por vezes, os dois elementos um pouco dissociados. Mas antes isto do que substituir a voz do povo. António Campos preferiu ouví-la e deixar que nós a ouvíssemos. E fez bem. Mesmo aos pontapés à gramática - se é que não é esta que dá pontapés à língua -, o povo sabe dizer verdades como punhos. É só deixá-lo falar, saber escutá-lo, permitir que ele seja igual a si mesmo. E o povo de Vilarinho foi-o ao viver o seu dia-a-dia numa luta constante contra a natureza para lhe arrancar o sustento, amassado com o suor do seu rosto; na calorosa recepção ao governador do distrito, que não se furtou a ver as misérias e ouvir os protestos de toda uma população expulsa da sua terra, Deus sabe - e eu também - em que condições; na animada discussão com o abade que, à falta de argumentos ditatorialmente mais convincentes, ameaça com castigos do arcebispo; enfim, nas suas manifestações religiosas, com certos ressaibos de paganismo, que facilmente se desculpa a este povo simples, por sabermos que não é ele o único responsável. Tudo isto viu e seleccionou a objectiva de António Campos, para nos mostrar (numa montagem bastante perfeita, em que apenas destoam alguns compassos de espera, de efeito discutível, na ligação de uma ou outra sequência) a vida de Vílarínho da Fuma, nos seus esquemas do passado e problemas do presente, aliás, também passados, porque Vilarinho é, agora, uma aldeía afundada pelo manto mortífero das águas. Mas, embora já se oiça o coaxar das rãs e o crocitar agoirento dos corvos, felizes com a morte que se esconde para além das comportas da barragem, não deixa de ser uma confortável certeza, pelo menos para quem se tem debatido pela salvaguarda do patrimónío etnográfico de Vílarínho da Fuma, saber que Vílarinho continuará presente, na memóría dos homens, graças aos pedaços de vida, esteticamente gravados no celulóíde, pela mão artística de um jovem realizador. (Do livro de Manuel de Azevedo Antunes, Vilarinho da Furna - Uma Aldeia Afundada, A Regra do Jogo, Lisboa, 1985, pp. 71-72).



publicado por MA às 01:01
link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 3 de Dezembro de 2012
Ainda sobre o Mestrado do Arq. David Carvalho
Ainda sobre o Mestrado do Arq. David Carvalho, aqui fica o link para o filme sobre a "modelação do passado de Vilarinho da Furna", por ele elaborado:
http://www.youtube.com/watch?v=4Ks0qtzLr18&feature=g-upl
 


publicado por MA às 00:04
link do post | comentar | favorito

Domingo, 2 de Dezembro de 2012
Mestrado sobre Vilarinho da Furna
Mais uma obra académica sobre Vilarinho da Furna.
No passado dia 28 de Novembro, o Arq. David Carvalho defendeu a sua dissertação de Mestrado, na Faculdade de Arquitetura da Universidade Técnica de Lisboa, sobre Vilarinho da Furna, intitulada "Modelando o passado: uma metodologia para a reconstituição tridimensional de um lugar a partir de documentação gráfica e imagens de arquivo".
Parabéns ao agora Mestre Arquiteto David Carvalho pelo seu excelente trabalho.


publicado por MA às 16:07
link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 8 de Agosto de 2012
Assembleia Geral d'AFURNA

No dia 12 de agosto, a partir das 10.00 horas, terá lugar, no Museu Etnográfico de Vilarinho da Furna, a Assembleia Geral d'AFURNA.

De tarde, será feita uma homenagem à Exm.ª Sr.ª Professora Maria Rosa Baptista, pelo valioso trabalho educacional e cultural realizado em Vilarinho, nos anos 50 e 60 do século passado, e exibido o filme "Vilarinho da Furna", da autoria de António Campos.

http://afurna.no.sapo.pt/Convocatoria_Ass._Geral_2012.pdf

Manuel Antunes

 



publicado por MA às 03:02
link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 21 de Maio de 2012
A Barragem de Vilarinho da Furna faz hoje 40 anos

A Barragem de Vilarinho da Furna foi inaugurada há 40 anos.

De facto, foi a 21 de maio de 1972, pelas 12H40, que o então Chefe de Estado Português, Almirante Américo Tomás, após a bênção das novas instalações pelo Arcebispo Primaz de Braga, D. Francisco Maria da Silva, se dirigiu para a sala das máquinas, acompanhado pelos Engenheiros Ivo Gonçalves e Machado Vaz, onde premiu o botão do motor de arranque da nova central hidroeléctrica. Foi esse mesmo Machado Vaz que, uma década antes, havia trocado a presidência do conselho de administração da Hidroeléctrica do Cávado (HICA) pelo Ministério das Obras Públicas, do governo de Salazar, para, logo de seguida, despachar a construção da Barragem de Vilarinho.

Terá sido coincidência?

Costumo dizer que prefiro a coincidência da chegada de Vasco da Gama à Índia, também a 21 de maio, mas do mais longínquo ano de 1498. Já lá vão 514 anos!...

De qualquer forma, como nascido na aldeia de Vilarinho da Furna (e não das Furnas - já que nos tiraram a terra, deixem-nos ficar o nome), não posso deixar de evocar esta efeméride, que também contribuiu para a Segunda Revolução Industrial (a do aço e eletricidade), em Portugal, iniciada, a nível mundial, nos finais do século XIX. Se quisermos uma data, poderá ser a de 1882, quando, no Fox River, nos Estados Unidos, se construiu a primeira barragem para a produção hidroelétrica. Consequências do primeiro dínamo posto a rodar, em 1831, por Faraday.

Manuel Antunes

 



publicado por MA às 18:16
link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 20 de Outubro de 2011
Rio Homem - III

No passado dia 16 de outubro, foi apresentado, no Museu Etnográfico de Vilarinho da Furna, o romance de André Gago, Rio Homem, a que se seguiu a visita à antiga aldeia, presentemente a descoberto.

RIO HOMEM é uma obra de grande fôlego, em que o autor, a partir da sua juvenil e inesquecível visão, nos anos 80, do século passado, da aldeia de Vilarinho da Furna, submersa por uma barragem, nos leva até à guerra civil de Espanha e consequente segunda guerra mundial, ao mesmo tempo que faz um retrato de Portugal, de1939 a 1972.

Muitas obras já foram feitas sobre Vilarinho da Furna, da ciência à ficção, passando pelo cinema e pela poesia. Onde sobressaem nomes como Link, Tude de Sousa, Jaime Cortesão, Orlando Ribeiro, Jorge Dias, Rosado e Delmira Correia, João Machado Cruz, Miguel Torga, António Campos, Fernando Matos, Manoel de Oliveira, entre tantos outros, e, agora, André Gago.

São obras que, cada uma ao seu jeito, muito dignificam a aldeia, o povo de Vilarinho, a ciência e a literatura portuguesa.

Vilarinho da Furna, apesar de submersa, foi e continua ser uma aldeia suficientemente rica para a investigação dos cientistas, a imaginação dos artistas, a inspiração de muitos.

RIO HOMEM é a prova disso.

Obrigado André, o povo de Vilarinho agradece.

http://afurna.no.sapo.pt/RIO%20HOMEM.pdf

Manuel Antunes



publicado por MA às 04:46
link do post | comentar | favorito

pesquisar
 
Agosto 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


posts recentes

Assembleia Geral d'AFURNA

Museu Etnográfico de Vila...

Conferência no CER - Cent...

Assembleia Geral d'AFURNA...

António Campos - Filme so...

Ainda sobre o Mestrado do...

Mestrado sobre Vilarinho ...

Assembleia Geral d'AFURNA

A Barragem de Vilarinho d...

Rio Homem - III

arquivos

Agosto 2017

Julho 2014

Março 2014

Agosto 2013

Fevereiro 2013

Dezembro 2012

Agosto 2012

Maio 2012

Outubro 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Agosto 2009

Abril 2009

Fevereiro 2009

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

tags

todas as tags

favoritos

Rio Homem - II

A Gente de VILARINHO DA F...

Centenário de Miguel Torg...

links
blogs SAPO
subscrever feeds